Lista | Cinco documentários nacionais para você assistir no fim de semana

Bandidos na TV é um documentário nacional de sucesso na Netflix. Nesse artigo indicamos outros documentários chocante.

1

Bandidos na TV é um documentário nacional, produzido pela Netflix; ele decorre os acontecimentos do perturbador Caso Wallace, que parou o Amazonas na década passada.

Mas caso você não saiba, esse não é o único documentário de produção nacional! Nosso país é a casa de projetos muito bem desenvolvidos e que valem sua atenção! Então, hoje vamos te mostrar cinco documentários nacionais que vão tirar seu fôlego!

Quem Matou Eloá? (2015)

documentário nacional
Eloá Pimentel

Em 2009, Lindemberg Alves, de 22 anos, invadiu o apartamento de Eloá Pimentel, na época com 15 anos. A adolescente foi feita refém durante 5 dias – o caso foi noticiado ao vivo. O curta metragem dirigido por Lívia Perez não conta apenas o que aconteceu durante os cinco dias, mas como os fatos foram noticiados e a influência que isso teve na resolução do caso – que terminou com a morte da adolescente.

Com base na entrevista de comunicadores e especialistas em segurança, vamos entrar no caso pela porta dos fundos; tentando entender qual o papel do jornalista em um caso tão complexo e até onde podemos ir por um furo de reportagem.

Edifício Master (2002)

Foto/reprodução

Pelas habilidosas mãos de Eduardo Coutinho, vamos conhecer os moradores do Edifício Master, localizado em Copacabana. O diretor visita o prédio, com mais de 200 apartamentos, apenas para contar a história dos moradores.

Entretanto, de maneira sensível, você vai entrar na casa daquelas pessoas e se sentir íntimo delas – apenas com uma conversa ou troca de olhar. Não faltam histórias para contar aqui, sejam elas engraçadas, tristes ou só fatos sobre a vida – que já é emocionante por si só.

Ônibus 174 (2002)

Filme: Última Parada – 174

Chegamos ao melhor filme da lista! Esse longa metragem retrata o sequestro de um ônibus da linha 174, no Rio de Janeiro; o crime aconteceu nos anos 2000.

A obra não conta apenas a história do sequestro, mas nos fala a vida do sequestrador – um sobrevivente da Chacina da Candelária.

A ideia do roteiro é te fazer entender como um garoto de rua vira um criminoso, e o processo em cadeia que isso gera. Mas ao voltar para o dia do sequestro, o diretor José Padilha, também nos explica como a falta de responsabilidade da mídia pode mudar os rumos de um sequestro e a inabilidade da polícia para lidar com esses casos.

A História Que Nosso Cinema (Não) Contava (2017)

documentário nacional
Foto/reprodução

Que tal  assistir uma releitura do período militar usando só pornochanchadas? Por mais irônico que seja, esse gênero era o mais consumido do Brasil nos períodos de repressão.

Por meio de cenas e críticas sociais feitas dentro dessas pornochanchadas, vamos entender a Ditadura Militar em seus conceitos econômicos e sociais; como a crise, a tortura, o sumiço de parentes e o levante de movimentos estudantis.

O filme é bem engraçado e explícito, mas sem deixar de lado sua mensagem.

Ilha das Flores (1989)

documentário nacional
Foto/reprodução

Acompanhamos a história de um tomate, desde o  plantio até o seu preparo. Nessa narrativa esquisita ao primeiro olhar, Jorge Furtado nos explica, em quinze minutos, a diferença entre humanos, tomates e porcos.

Entretanto, esse curta tem o objetivo de escrachar a desigualdade social presente no Brasil no início dos anos 90- exemplificando a concentração de renda em algo simples: eles tem o que comer, a gente não.

leia também: