Tuca & Bertie (2019) é uma animação da Netflix, que explora a vida adulta através de mulheres-pássaros. Enquanto Tuca é extrovertida, irresponsável e vive como se não houvesse amanhã, Bertie é certinha, com um emprego fixo e com medo de mudanças. A parte legal, é que essas duas são amigas de longa data.

Por conter o mesmo time que produz Bojack Horseman (2014), assisti na expectativa do humor mórbido e pesado, maquiado com animais se comportando como seres humanos; entretanto, foi surpreendente quando a série se mostrou muito mais que isso.

Tuca & Bertie / Reprodução

Criada por Lisa Hanawalt, o programa trata problemáticas adultas do ponto de vista feminino; coisa rara de acontecer no humor negro. Apesar de termos mulheres bem representadas, como Diane de Bojack Horseman ou Beth Smith de Rick & Morty, é raro uma série do gênero focada em suas personagens femininas.

Mas aqui, todo o contexto gira em torno delas e dos problemas que elas passam. O roteiro trata de assédio, abuso sexual, sexismo e até mesmo o medo de estar em um ambiente só com homens; coisas que passam despercebidas do ponto de vista masculino.

Profundidade e humor lado a lado

Claro, apesar dos temas pesados, o humor é muito presente e está em cada aspecto do programa. O cenário psicodélico e cheio de easter eggs já constroem o clima para o telespectador, que tenta entender a lógica daquele mundo híbrido (onde até plantas agem como pessoas).

O roteiro é bem inteligente e trabalha com piadas sutis, que necessitam de atenção do espectador; e vai até o humor escrachado e trash – como o peito de Bertie, saindo do corpo dela para fumar um cigarro, por estar cansado de sofrer assédio.

Apesar das temáticas femininas, que são importantes, o programa também trabalha com outros aspectos, como alcoolismo, ansiedade e a dificuldade de fazer escolhas. Tudo isso deixa os personagens cada vez mais humanos.

Tuca & Bertie / Reprodução

Toda a arte da série é maravilhosa e o desenho mistura outros características para enriquecer ainda mais a narrativa; como o ótimo uso da animação em slowmotion.

O trabalho de voz é primoroso, as atrizes Tiffany Haddish (Tuca) e Ali Wong (Bertie) dão um show nos dez episódios disponíveis. A carga emocional das personagens, junto com o roteiro e o belíssimo trabalho de atuação, criam uma verossimilhança fenomenal.

Também é justo destacar Steven Yeun (Speckle) que trouxe muitas camadas para o seu personagem, ainda mais nos últimos episódios.

Tuca & Bertie pode parecer despretensioso e bobo, mas está de longe disso. A série trata de temas sérios e pesados, sem perder o humor irreverente. O roteiro é impecável, os atores bem trabalhados e a animação é perfeita; e claro, deixa uma lição importante: as vezes, precisamos nos perdoar primeiro.