A psicologia é o estudo do comportamento e o desenvolvimento mental do ser humano o que realmente é fascinante ser analisado e assistido algo relacionado com a área. Veja alguns filmes e séries que consistem em histórias do comportamento humano e problemas/ traumas que valem a pena terem espaço na sua lista:

Criminal Minds (2005)

AXN/CBS

Uma equipe da Unidade de Análise Comportamental do FBI investiga os casos de serials killers e psicopatas, quando ninguém mais se acha uma solução os analistas contribuem para fechar o caso com as soluções mais geniais para traçar o perfil até chegar no culpado.

Realmente uma série que você precisa ter estômago com as cenas fortes, porém é brilhante a forma com que atraí quem está assistindo para incríveis análises. Criminal Minds trás histórias de serial Killers, frases do início ao fim com um toque maravilhoso da inteligência lógica.

Bates Motel (2013)

A&E PICTURES

Trazendo o clássico, Psicose, a “psicologia” de Alfred Hitchcock a série entrega a história de formação do vilão Norman Bates e os eventos apresentados no filme.

O que deve ser visto e apreciado de forma clara é a relação que Norman e sua mãe Norma tiveram na sua adolescência para o garoto ter se tornado um assassino em série e como no filme não tem muito espaço para detalhismo extremo a adaptação tem essa peculiaridade.

BoJack Horseman (2014)

Netflix Series

Contando a história de um astro decadente de Hollywood, sonhando para ter sua vida glamourosa em ascensão novamente, mas durante o decorrer dos fatos temos questões existenciais intensas que podem ser mais dolorosas do que de costume.

Os personagens na maioria são animais antropomórficos, por mais estranho que seja eles acabam trazendo a crítica melhor ao contexto. BoJack com sua dificuldade de se comportar como um homem adulto e sua falta de identificação, a depressão e a solidão fazem papéis importantes, ou seja, uma crítica por trás de tudo.

Skam (2015)

NRK Pictures

A série norueguesa composta por quatro temporadas mostra as histórias dos estudantes da Hartvig Nissen em Oslo, retratando todo o cotidiano dos personagens e seus problemas.

Por mais que seja aquela série adolescente típico de festas, drogas e sexo, Skam tem muitos mais para oferecer. Cada temporada focando em um personagem diferente, aceitação, religião, identidade de gênero são fatores bem trabalhados valendo muito a pena vivenciar junto.

A Maldição da Residência Hill (2018)

Netflix

A família Crain composta pelo casal Hugh e Olivia e cinco filhos se muda para a residência Hill, mas o que ninguém contava era que seus filhos começaram a ter visões e pesadelos horríveis, logo mostrando que tudo era real.

A série é bastante relativa no quesito de como os personagens sofreram com seus traumas e a morte da mãe até a vida adulta, período que acompanhamos durante a maior parte da primeira temporad. A sanidade está em jogo quando o terapeuta de Nell diz para a moça voltar a Hill, consequentemente testando cada comportamento de sua família novamente.

O Silêncio dos Inocentes (1991)

 The Silence of the Lambs

Além de estar nesta lista é uma das produções mais bem feitas do século XX, baseado no livro, Silêncio dos Inocentes conta a história do Dr. Hannibal Lecter um ex-psiquiatra que se tornou um serial killer e como este consegue ajudar a agente do FBI Clarice Starling a capturar Buffalo Bill, outro notório serial killer conhecido por matar apenas mulheres.

Não foi à toa que o filme ganhou o Oscar de Melhor Filme, já que ele tem essa narrativa interessante entre o psicopata e a agente, como a capacidade de ser frio, canibal, um amante da psicologia e calculista remete nas suas vítimas.

Garota, Interrompida (2000)

Girl, Interrupted

Após uma sessão com um psicanalista que nunca havia visto antes, Susanna Kaysen foi diagnosticada como vítima de Transtorno de Personalidade Limítrofe ou borderline. Enviada para um hospital psiquiatra, ela conhece garotas transtornadas, como Lisa Rowe uma sociopata querendo uma fuga para retomar a sua vida.

Um dos melhores filmes que pode te apresentar a TPB (Transtorno de Personalidade Bipolar), Winona e Angelina deram seu melhor e vale a pena destacar o filme como um dos seus melhores trabalhos.

Se Enlouquecer Não se Apaixone (2010)

Universal Pictures

A vida não tem nada de bela quando se passa por traumas. Craig um menino com depressão que não encontra saída para seu sofrimento e resolve buscar ajuda em um hospital psiquiátrico.

O filme mostra como a tentativa de que o suicídio pode abrir uma oportunidade para redescobrir e tentar viver novamente, ou seja, a psicologia sempre reverte situações.

Cisne Negro (2011)

Fox Film Pictures

Nina é uma bailarina cuja toda sua obsessão é para a dança uma ambição profissional. O diretor da companhia, Thomas Leroy decide colocar Nina como a principal para O Lago dos Cisnes, mas uma nova bailarina Lily poderá tomar seu lugar.

A temática gera a malícia e a sensualidade, um disputa de rivalidade faz com que o psicológico de Nina conheça seu lado mais sombrio, com uma inconsequência que ameaça destrui-la.

Dançando em Silêncio (2016)

Netflix

Um filme alemão, trazendo Luca uma garota que está superando uma depressão que a acompanhou por anos. A personagem nos oferece humor, apatia e melancolia em medidas variadas, com uma interpretação graciosa de Martina Schöne-Radunski.

O filme trás uma realidade dar dor e sofrimento não um colapso de facilidade que vemos no processo de superar o sofrimento.

O Mínimo Para Viver (2017)

Netflix

Ellen com tantos problemas está lidando com a anorexia, sem esperanças de voltar a sua vida normal a garota começa na possibilidade de desistir. Porém, quando ela conhece um doutor não convencional e que a desafia a abraçar a causa ela pode ver que tem outra alternativa.

Tudo de humano e sentimentos é posto no filme, uma sobrevivência diária com os problemas de muitos jovens e adultos que muitas das vezes não fica visada para a sociedade.

Os filmes nos mostram personagens e suas feições, características e modos. Sabemos como um público que é brilhante essa junção entre a psicologia e os filmes, nos remetendo a ver não só a personalidade do outro, mas também as nossas, pois a arte mais difícil no comportamento é analisar a si próprio. No final ninguém é louco ou normal somos pessoas tentando buscar ajuda e viver melhor.