Era uma vez um dos mais conceituados diretores do cinema moderno, Quentin Tarantino. Seus filmes mobilizavam milhões de espectadores dispostos a vivenciar qualquer história que ele quisesse contar. O exemplo mais recente era o longa Era uma Vez em… Hollywood, que segundo o site Box Office Mojo, estreou com bilheteria de US$78,842 Milhões.

Entretanto, o diretor também era conhecido por sua excentricidade e pavio curto, uma característica que o rendeu bons (e caros) processos. Um dos casos mais famosos aconteceu em Utah, no ano de 2008, como mostra o vídeo abaixo.

“Se você não estivesse filmando eu quebraria a sua cara”

Tarantino estava em Park City para o Festival Sundance de Cinema, durante o qual, naturalmente, a cidade fica infestada de paparazzis. Um deles abordou o cineasta enquanto ele saía de um Starbucks, em um momento pessoal e sem avisos. O diretor pergunta o que está acontecendo e pede para que o fotógrafo abaixe a câmera. Ele se recusa e bom… O resto ficou claro.

O curioso é que, em busca de mais imagens, o paparazzi provoca Tarantino e tenta fazer com que ele o agrida mais uma vez. Percebendo as intenções do abutre, ele simplesmente vira as costas e vai embora com seu bendito café.

A situação é, sem dúvidas, surreal, e denuncia a demência midiática que sublinha a cultura moderna ocidental.